Cuide do idoso

*Dr. Luiz Renato Mônaco

A nossa população está envelhecendo. Cada vez mais, é maior o número de idosos que se mantêm ativos e moram sozinhos. Nessas condições, vários ficam necessitados de maior afeto e atenção, tornando-se vítimas fáceis de pessoas mal-intencionadas.
Muitas vezes, os filhos, a família ou pessoas mais próximas não se dão conta do que está ocorrendo com o idoso e se surpreendem diante do problema que pode surgir com o passar do tempo.
No desempenho de minhas atividades como Delegado de Polícia, em um dos Distritos mais movimentados do Estado de São Paulo, infelizmente, tem sido cada vez mais comum a prática de golpes contra idosos. Esse fenômeno, como sabido, não é recente, tendo como fatores desencadeantes: um envelhecimento da população, o fato das pessoas em idade avançada se manterem ativas, e também a existência de pessoas mal-intencionadas que escolhem tal grupo de pessoas, como vítimas para a prática de delitos.
Dentre as fraudes praticadas estão a troca de cartões no autoatendimento das Instituições bancárias, a oferta enganosa de produtos, ou mesmo, a participação em sorteios / jogos veiculados em programas televisivos. Contudo, vem chamando a atenção do autor deste artigo, golpes mais elaborados, que envolvem a aproximação de terceiros, objetivando o ganho de confiança da vítima, repercutindo então, em prejuízos muito mais vultuosos.  Em um dos casos que chegou ao meu conhecimento, aproveitando-se do fato de que, a vítima residia sozinha, os golpistas, representados por verdadeira família aproximaram-se da vítima demonstrando afeto, atenção e a levaram para sua residência, prometendo um tratamento para emagrecer que só poderia ser feito em determinado local e sob supervisão de um médico, cobrando-se, evidentemente, um valor muito acima do esperado. A vítima foi tão bem tratada que começou a vê-los como uma família que lhe queria imenso bem e não achou nada demais quando passaram a retirar o seu dinheiro no banco, passando a subsistir com os vencimentos da octogenária.
O golpe foi tão bem feito que, mesmo após o contato com os familiares, a idosa se recusava a aceitar o fato de sua condição de vítima, crendo piamente, que tais pessoas apenas estavam preocupadas com sua saúde, lhe fazendo muito bem. Há de se considerar que, a aproximação de pessoas estranhas à vítima e o ganho de sua confiança, não é fato que se desenvolve de um dia para o outro, demonstrando uma falta de acompanhamento dos familiares com relação à vida da idosa e suas novas relações de amizade.
Assim, os familiares devem estar atentos à vida de idosos que vivem sozinhos por opção e até privacidade, ao invés de viverem com a família no estágio avançado da vida. É responsabilidade da família tomar providências na hipótese de verificarem algo que chame especial atenção, ou que denotem a prestação de favores ou o desaparecimento de bens.
Não hesitem em procurar uma das Delegacias de idoso existentes nas grandes capitais sempre que o comportamento do idoso apresentar qualquer tipo de mudança, que cause estranhamento na família. A princípio pode parecer apenas novas relações sociais, mas aos olhos da autoridade especializada, na verdade pode revelar a realização de atos criminosos.

*Delegado da Polícia Civil do Estado de São Paulo

*O garotinho bragançano
*Aos criminosos cruéis pena de morte ou prisão perpétua
*Presunção de hipossuficiência
*Todos no limite