Redução da Operação tapa-buracos em 10 regiões, Tribunal de Contas se manifesta

content image
Segundo o vice-prefeito, Bruno Covas, nos primeiros seis meses da gestão de João Doria (PSDB) foram tapados 93 mil buracos na cidade

Houve redução de equipes, material e serviço em bairros das Zonas Leste, Oeste e Centro. Em especial na Vila Prudente, contrato foi suspenso por 120 dias por falta de dinheiro

A Prefeitura de São Paulo reduziu equipes, materiais e serviços da operação tapa-buracos em nove prefeituras regionais da capital paulista. Em mais uma região, na Vila Prudente, na Zona Leste da cidade, a situação é mais grave e toda a manutenção foi suspensa por 120 dias. 
O programa tapa-buracos foi criado há anos pela prefeitura, para a manutenção das vias da cidade. Na manhã desta quarta-feira (12), a Prefeitura informou que, devido à redução na arrecadação, teve que fazer corte na verba repassada para o programa, mas que já obteve R$ 10 milhões de um projeto da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) para a retomada. 
Nove prefeituras regionais fizeram cortes no serviço, entre elas São Miguel Paulista, Itaquera, São Mateus e Guaianases, também na Zona Leste da cidade. Na Vila Prudente, até o fim de setembro, a previsão é que a prefeitura regional não tape nenhum buraco. Isso porque o contrato com as empresas que fazem o serviço foi suspenso no dia 25 de maio por 120 dias, por falta de dinheiro. A prefeitura regional de Vila Prudente foi a única a suspender o tapa-buraco. Como comparativo, no Butantã, na Zona Oeste da capital, a redução foi apenas na quantidade de asfalto para fazer o serviço, que caiu 18% e fica assim, pelo menos, até agosto. Na prefeitura regional da Sé houve um corte de 10% no valor do contrato.
De janeiro a 20 de junho, a prefeitura recebeu mais de 76 mil pedidos de tapa-buraco, bem mais do que no mesmo período do ano passado, que foram 53 mil. A demanda aumentou e o número de equipes diminuiu, passando de 63, em 2016, para 55.
Após auditoria, o Tribunal de Contas do Município publicou no dia 12 de julho, no Diário Oficial da cidade, o resultado de uma auditoria feita entre setembro de 2016 e fevereiro de 2016, que encontrou, em relação aos buracos, ausência de requadramento, de pintura e de fotos de antes, durante e depois do serviço. O Tribunal de Contas agora exigirá que as empresas tapem os 6.862 buracos da cidade sem prejuízo para a Prefeitura.
Por meio de sua Rede Social, o vice-prefeito Bruno Covas anunciou a retomada dos investimentos já para o dia 15: “Amigos hoje anunciamos o investimento de mais 10 milhões de reais para tapar buracos na cidade de SP! Esse recurso aumentará a capacidade de produção de massa asfáltica da cidade para cerca de 20 mil toneladas por mês!! Vamos iniciar a ação no dia 15 de julho pela maior via da Zona Leste, a Avenida Sapopemba!’’.