A Copa do Mundo em São Paulo

content image

São Paulo é uma cidade que faz 90 mil eventos por ano, alguns muito grandes, como a Fórmula 1 e a Parada do Orgulho GLBT. São Paulo vai receber, pela segunda vez na sua história, uma Copa do Mundo da FIFA e, pela primeira vez, a abertura do evento. É um grande desafio e, principalmente, uma excelente oportunidade. Oportunidade, sobretudo, para Itaquera, na Zona Leste, uma das suas regiões mais carentes. Constituída por trabalhadores que vieram de outros estados da federação para trabalhar principalmente na construção civil, a região tem 35% da população, mas apenas 16% dos empregos de São Paulo.
A construção da Arena Corinthians, um dos clubes mais populares do país, e a consequente realização da Copa no local, são um grande impulso catalizador, que levam emprego e renda para a região. Antecipam um grande polo institucional e um amplo e moderno sistema viário que já estavam previstos pelos governos municipal, estadual e federal há mais de dez anos.
Para a construção da Arena Corinthians, o clube teve o financiamento do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) de R$ 400 milhões e também a emissão de títulos de renúncia fiscal da prefeitura chamados CID’s (Certificado de Incentivo ao Desenvolvimento). Os CID’s para a construção da arena poderão ser até o valor de R$ 420 milhões. Já para a construção do sistema viário e polo institucional, há um aporte de recursos de R$ 548,5 milhões, sendo R$ 397,9 milhões do Governo do Estado e R$ R$ 150,6 milhões da Prefeitura.
O Polo Institucional de Itaquera se compõe de vários equipamentos públicos, alguns que já estão prontos e outros que serão construídos após a Copa, como um Centro Cultural; a Fatec (Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo) e a Etec (Escola Técnica Estadual) que já estão em funcionamento; SESI e SENAI; Fórum; Incubadora de Projetos Empresariais; Obra Social Dom Bosco; Unidade de Pronto Atendimento de Saúde.
Além disso, há também a construção de uma praça de convivência de 17.500m² e 334 árvores e a ampliação de um terminal urbano, financiado pelo Governo Federal através das obras do PAC (Plano de Aceleração do Crescimento), no valor de R$ 29.8 milhões e outra série de obras com recurso do Consórcio do Pontal Leste, da Prefeitura de São Paulo, que incluem o viaduto Guaianases; o viaduto Itaquera; pontilhões; interligações viárias e canalizações de córregos, entre eles o córrego Laranja-Azeda. As obras estão localizadas em diferentes trechos entre Artur Alvim e Guaianases no valor de R$ 132 milhões.

Obras do Sistema Viário em Itaquera
• Avenida de ligação Norte-Sul entre a Av. Itaquera e Nova Radial, com transposição em desnível sobre linhas do Metrô e da CPTM (Chuveirinho);
•Nova avenida, em sistema binário, articulando a ligação Norte - Sul com a Rua Miguel Inácio Curi, na região da Pedreira junto à adutora da SABESP existente;
•Passagem em desnível na R. Luís Aires (Radial) em frente ao Terminal Urbano de Itaquera (Mergulhão);
•Adequação viária no cruzamento da Av. Miguel Inácio Curi com a Av. Eng. Adervan Machado;
•Alças de Ligação no cruzamento da Av. Jacu Pêssego com a Nova Radial;
•Construção e urbanização de praça e requalificação do entorno do Polo Institucional de Itaquera.

Geração de Emprego e Renda
Este grande impacto gera, ao longo de quase uma década, uma grande quantidade de empregos. Para a construção da Arena foram 6 mil empregos diretos e 20 mil indiretos. As obras do complexo viário tiveram 1.700 empregos diretos e indiretos.
Estudo da Consultoria Accenture indica que a Copa do Mundo deverá causar um impacto total no PIB da cidade de R$ 30 Bilhões, de 2011 até 2020, em vários setores da economia como infraestrutura, turismo, serviços etc. No mesmo período, o município terá uma receita adicional com tributos de R$ 983 milhões. Ainda de acordo com a Accenture, este impacto vai proporcionar a geração de mais de 34 mil empregos permanentes e 39 mil temporários.
Um consórcio empresarial será construído no terreno da antiga pedreira que fica ao sul da arena logo após a Copa. O empreendimento, uma parceria da empresa Lindencorp com os donos originais do local, vai gerar 50 mil vagas de empregos.

Turismo e Receptivo
Das 32 seleções classificadas para a Copa do Mundo da FIFA 2014, 15 vão ficar hospedadas no Estado de São Paulo. Na cidade ficarão duas seleções: os EUA e o Irã. Além da grande demanda por hotéis que isto vai gerar, a cidade terá ainda dois Centros de Treinamento de Seleções, nos CTs do São Paulo e do Corinthians e três Campos Oficiais de Treinamento, no Pacaembu, CT do Palmeiras e Audax.
A cidade disponibilizará, na Praça das Artes, localizada na região central, no período de maio a julho de 2014, um Centro Aberto de Mídia (CAM), com capacidade para até 400 profissionais de imprensa, brasileiros e estrangeiros, credenciados ou não pela FIFA, com redação, salas de reunião, auditório para coletivas e cabines de locução, 120 estações de trabalho, internet banda larga (1Gb) e rede WiFi e programação diária de entrevistas.
No mesmo local, vai funcionar durante a Copa a Casa das Nações. O equipamento será uma central de apoio a embaixadas, consulados e turistas estrangeiros e fará a promoção da agenda internacional da Cidade de São Paulo.
Além de toda esta programação, a cidade vai abrigar ainda vários outros eventos como o Tour do Troféu da Copa, Reunião do Comitê Executivo da Fifa, 64º Congresso da Fifa e a Cerimônia de Abertura da Copa. Tudo isto somado, de acordo com o Ministério do Turismo do Brasil e a Fundação Getúlio Vargas, deverão levar a São Paulo 258 mil turistas estrangeiros (2ª sede mais visitada) e 1,18 milhão brasileiros (1ª sede mais visitada).

Ações Sociais
Várias ações sociais serão implantadas pela Prefeitura de São Paulo antes, durante e depois do evento. Com relação aos vendedores ambulantes, por exemplo, todos os que estão regularizados com TPU (Termo de Permissão de Uso) poderão trabalhar normalmente durante a Copa. O TPU de um ambulante indica tanto o local em que ele irá trabalhar quanto a mercadoria que irá vender.
Na Copa, mil vagas temporárias de vendedores serão criadas no âmbito dos eventos (exibições públicas e entorno da Arena Corinthians). Uma comissão formada por representantes dos patrocinadores do evento e do Fórum dos Ambulantes fará a seleção dos profissionais.
As obras da Copa, em São Paulo, tiveram apenas 26 desapropriações e oito remoções. A comunidade da Vila da Paz, a mais próxima da Arena, por exemplo, será removida apenas a partir de 2015, no processo chave a chave, assim que ficarem prontas as novas habitações do programa “Minha Casa, Minha Vida”, do Governo Federal. Enquanto isto, uma série de melhorias tem sido realizada na comunidade, inclusive com a instalação de energia elétrica e água encanada.

Os seis jogos da Copa em São Paulo
12/6 (5ª feira), às 17h * Brasil x Croácia (abertura do Mundial); 19/6 (5ª feira, feriado nacional), às 16h * Uruguai x Inglaterra (jogo da 1ª fase); 23/6 (2ª feira), às 13h * Holanda x Chile (jogo da 1ª fase); 26/6 (5ª feira), às 17h * Coreia do Sul x Bélgica (jogo da 1ª fase); 1/7 (3ª feira), às 13h * jogo das oitavas-de-final e 9/7 (4ª feira, feriado estadual), às 17h * jogo das semifinais.

Exibições Públicas Durante a Copa
São Paulo fará além da FIFA FAN FEST mais outras cinco exibições públicas dos jogos da Copa espalhadas por todas as regiões de seu território: * Vale do Anhangabaú (Fan Fest) * Praça do Samba (Perus) * Parque da Juventude (Santana) * Parque do Povo (Pinheiros) * Pça. Benedicto Ramos (Ermelino Matarazzo) * Pça. João Tadeu Priolli (Campo Limpo).

Fonte: Assessoria de Imprensa da SPCopa