Após 20 anos de luta, Copa trouxe água, luz e esperança

content image

Já é possível ver de longe o moderno Itaquerão, palco da Copa do Mundo na capital. O estádio foi a grande mudança na paisagem de um dos bairros mais populosos da cidade nos últimos quatro anos e, no último mês, se tornou o endereço da festa, com milhões de torcedores nacionais e estrangeiros.
A cerca de 300 metros da arena, quando o asfalto da calçada dá lugar à terra batida, há a Vila da Paz, uma comunidade onde vivem quase 400 famílias à beira do córrego do Rio Verde – que, atualmente, ainda é um esgoto a céu aberto.
Água
Por enquanto, o legado da Copa para as centenas de pessoas que moram na Vila da Paz é a água que corre das torneiras de suas casas depois de mais de duas décadas de espera.
A energia, até agora pelo menos, segue apenas como promessa, mas os moradores têm fé que, até setembro, como prometido pela Eletropaulo (empresa que fornece luz em São Paulo) e pela prefeitura, o projeto seja concluído indo além dos primeiros postes de luz já instalados.
A Vila da Paz se instalou à beira do córrego do Rio Verde, ainda em 1991. De lá para cá, foi crescendo e sobrevivendo sem acesso às necessidades básicas – água e energia. Com a Copa do Mundo acontecendo ao lado, a favela chamou a atenção das autoridades que tinham, como plano incial, remover as famílias de lá e ampliar o parque linear que existe logo ao lado.
Como parte do plano os moradores receberiam um auxílio-aluguel que variaria de R$ 400 a R$ 600 para se mudarem dali até que a moradia definitiva deles ficasse pronta. A negociação com a prefeitura para que se desistisse de vez das desapropriações durou um ano.
A Vila da Paz chegou a receber um comunicado de reintegração de posse, mas insistiu na luta com as autoridades e conseguiu um acordo: até o início de 2016, todos os moradores da comunidade receberão as chaves de suas novas casas – um conjunto habitacional também em Itaquera. Enquanto isso, a prefeitura melhoraria as condições da região, levando água, energia e sistema de esgoto.
A água já chegou, e a promessa é que a energia começará a ser instalada depois da Copa. Já o saneamento só será realidade quando as primeiras famílias saírem da beira do córrego.
‘Legado’ da Copa
Para a Vila da Paz, a Copa despertou a atenção das autoridades para a comunidade e trouxe as primeiras vitórias de uma luta que já dura duas décadas. Na mira da mídia nacional e internacional, a região recebeu investimentos que até então ainda não haviam sido feitos.
Estão entre as promessas da prefeitura e do governo a construção de escolas, parques e até de um centro empresarial que gerará até 50 mil empregos.
A Fatec e a Etec já estão funcionando, agora, haverá outras duas escolas na região, uma do Sesi, outra do Senai, ensino completo e profissionalizante.