Em entrevista aos jornais de bairro, Aécio afirma que São Paulo lidera a onda da virada

content image

Ao lado de Andrea Matarazzo, candidato à Presidência afirma ter convicção de que irá para o segundo turno, para o bem de São Paulo e do Brasil 

O candidato da Coligação Muda Brasil à Presidência, Aécio Neves, disse no dia 26 de setembro que, após ser eleito presidente, será o grande parceiro do governador Geraldo Alckmin para o desenvolvimento do Estado. A afirmação foi feita durante entrevista coletiva para cerca de 80 jornais da imprensa regional da Grande São Paulo.
“O governador Alckmin, que será reeleito no primeiro turno, fez muita coisa por São Paulo na mobilidade, na segurança, em todas as áreas. E ele fez tudo isso tendo um governo federal de oposição. No momento em que ele tiver a mim como um aliado no governo federal, nós vamos dar a São Paulo um salto que ninguém jamais deu”, disse Aécio. “Vamos juntos fazer o maior governo da história de São Paulo”, completou.
O candidato reafirmou que sua candidatura representa os cerca de 70% da população brasileira que quer mudanças e está indignada com o que está acontecendo no Brasil. E citou as denúncias de corrupção que não cessam, a volta da inflação, o crescimento pífio da economia, o corte de empregos, a estagnação dos indicadores sociais e a permissão para que as maiores empresas do país adotem as piores práticas políticas.
“Esse sentimento de mudança é resultado desse governo que não entrega o que se propõe a entregar. Minha candidatura não é apenas de um partido ou de uma coligação, é de um projeto de Brasil”, afirmou Aécio. Ele lembrou que há também na disputa uma outra candidatura – referindo-se a Marina Silva –, que ele respeita, mas que não a vê com capacidade de enfrentar os problemas brasileiros da forma que eles precisam ser enfrentados. “Nós temos mais experiência e os melhores quadros para isso”, disse.
“Nossa candidatura representa uma mudança segura em todos os aspectos. Em primeiro lugar no aspecto dos valores morais, os quais infelizmente esse governo atual jogou no lixo”, disse. Para Aécio, a pior herança que o governo federal vai deixar é o fato de estar deseducando os brasileiros, principalmente os jovens e as crianças. 
“Nós sempre aprendemos com nossos pais e professores que não podemos mentir, que não devemos roubar e que devemos respeitar as pessoas. Esse governo faz tudo ao contrário. Mente dizendo que seus adversários vão acabar com isso ou com aquilo, mesmo sabendo que na verdade não vão acabar,  e sim melhorar o que já existe”, afirmou, referindo-se ao Bolsa Família.
Aécio prosseguiu: “Eu sou o candidato que vai encerrar esse ciclo perverso do governo do PT e colocar um digno e honrado no lugar, inspirado nas práticas do meu avô, Tancredo Neves, e nas melhores práticas de políticos como o governador Geraldo Alckmin e o vereador Andrea Matarazzo”, disse. O vereador também estava presente na entrevista coletiva. 
O candidato se comprometeu a ser o presidente da descentralização, não só em saúde e educação, mas também em comunicação, valorizando a mídia local de cada região do país. E citou sua experiência como governador por dois mandatos de Minas Gerais, onde a gestão com eficiência e a descentralização garantiram grandes conquistas ao Estado, como obter a melhor educação fundamental do país, segundo o Ministério da Educação.
“Hoje eu vejo o Brasil quase como um Estado unitário, onde o poder central tudo tem, tudo pode e tudo decide. Isso está errado. Não é possível definir as prioridades de investimento de cada região estão lá dentro do ar condicionado em Brasília, mas sim próximo de onde os problemas existem”, disse.  “Quanto mais descentralizada for a decisão, melhor para as pessoas.”
Segurança
Aécio reafirmou seus compromissos com as grandes causas do Brasil, como a Segurança Pública. “Eu assumo a responsabilidade de elaborar uma política de segurança para o país. Vamos impedir a entrada de drogas pelas fronteiras e ainda tratar os jovens que se tornaram dependentes”, disse. O candidato também tratou de uma questão polêmica, a da maioridade penal. “Defendo o projeto do senador Aloysio Nunes, meu candidato a vice, que prevê que maiores de 16 anos, com autorização do Ministério Público, possam ser processados pelo Código Penal em casos de crimes hediondos”, disse. E completou: “Vamos também proteger o jovem para afastá-lo do crime. Tenho um projeto que dobra a pena de adultos que utilizarem menores de idade para praticar crimes”, disse. 
Saúde e Educação
Na área da saúde, Aécio Neves afirmou que criará 500 clínicas de especialidade em todo o país. Segundo ele, são locais em que as pessoas poderão passar por consulta médica, fazer exames e já sair com o remédio receitado. Por fim, na educação, Aécio afirmou que um de seus compromissos é levar de volta para a escola os 20 milhões de jovens que, no Brasil, não conseguiram terminar o ensino fundamental ou o ensino médio. “Vamos pagar um salário mínimo a eles para que voltem a estudar”, disse.
Otimismo
Aécio Neves se disse otimista com a eleição. “Minha candidatura é a única que está crescendo em todas as últimas pesquisas eleitorais. Se me derem a vitória em São Paulo, vocês terão uma presidência republicana, honrada e digna, que vai tratar daqueles que mais precisam com muita sensibilidade e muita generosidade”, afirmou.