Finalmente Avenida Gualtar

content image

J. C. Gutierrez

Dia 25 de novembro passou a ser um dia importante na história da comunidade do Vale do Aricanduva, pois, finalmente chega ao fim o “drama” da avenida Gualtar.  A vereadora Juliana Cardoso, acompanhada das principais lideranças dos bairros do Vale do Aricanduva, reuniram-se com o secretário da SIURB Roberto Garib, o superintendente de Obras, Ariovaldo José Lopes e o superintendente de Projetos, Pedro Algodoal,  para dirimir de uma vez por todas as dúvidas que envolvem a “causa Gualtar”. O secretário afirmou que “dependeria agora de uma iniciativa do Centro Comercial Aricanduva de apresentar um projeto viável e que assumisse os custos e a construção da nova avenida”. O diretor Regional da Educação de Itaquera, Walter Almeida afirmou que as restrições que a Secretária de Educação fazia no passado, deixaram de existir pois, “era coisa do secretário Municipal da Educação do outro governo”. Representando a Empresa, o arquiteto Danúbio Monte, acompanhado do arquiteto Eduardo Munhoz, ouviram  a solicitação do secretário  de Obras Roberto Garib e, prometeram que, até o dia 30 de novembro estariam  levando em mãos para aprovação o novo projeto.  A Gestora do CEU Aricanduva, Suzete Rodrigues, acompanhada de sua assistente Silene Rezende e dos membros  do Conselho Gestor : Maria Aparecida Oliveira, Maria Cristina Barbosa, Delfina Custódio da Silva, Maria do Socorro Silva Souza, também concordaram com Walter Almeida, que em meio as reivindicações “solicitou uma creche para os filhos dos trabalhadores, não só do  complexo comercial Aricanduva, mas também  para as mães trabalhadoras que trabalham até as 22 horas”. Também presentes a reunião:  o subprefeito de São Mateus, Fábio Santos da Silva, chefe de gabinete da vereadora Juliana Cardoso, Vanilda Anunciação, a presidente da SAB Santa Terezinha, Irene Floripes de Souza;  presidente da Sociedade Amigos do Jardim Marília, Iraci Froes acompanhada de seu diretor, José Maria Marques; presidente da AMPASCY –Associação dos Moradores do Parque Savoy City, Aurelita Araujo Adamaceno;  Reusa Ferrari entre outras moradoras do bairro. Todos foram unânimes em pedir ao secretário como presente de Natal,  a aprovação do projeto e o início das obras ainda para este ano, porém,  Roberto Garib sustentou que: “a burocracia faz a demora da aprovação e garantiu para até fevereiro de 2016, a aprovação para o início das obras”, o que foi avalizado pela vereadora Juliana Cardoso.  Ao final da reunião todos agradeceram ao secretário e a vereadora com uma salva de palmas! 

SUBPREFEITO MAURÍCIO MARTINS COMENTA
Segundo o subprefeito de Itaquera, Maurício Martins, desde a sua posse a frente da subprefeitura de Itaquera, no mês de maio de 2014, as obras de abertura da avenida Gualtar esteve sob seu foco, pois, “considero esta avenida de suma importância, não só para o desenvolvimento do bairro Cidade Líder, mas para toda a Zona Leste”. Falou que a “causa Gualtar” foi acelerada depois do encontro promovido por ele, do superintendente do Centro Comercial Aricanduva Marcos Sérgio de Oliveira Novaes com o prefeito Fernando Haddad, por ocasião da inauguração do Eco Ponto do Jardim Marília dia 11 de novembro”. 

UMA VELHA HISTÓRIA 
Há mais de 20 anos moradores de vários bairros do distrito de Cidade Líder, em Itaquera, mais precisamente no Vale do Aricanduva em torno do maior shopping da América Latina, solicitam junto à Prefeitura a ligação da Avenida Gualtar com a Avenida Aricanduva. Até 2003, a via em questão servia de passagem provisória dos pedestres que aguardavam a sua pavimentação. Com a construção do CEU Aricanduva dividido em dois blocos, a área reservada para o prolongamento da avenida foi incorporada e se transformou em estacionamento dos funcionários, barrando a antiga reivindicação dos moradores do local. A falta desse acesso prejudica os cerca de 200 mil moradores do Jardim Santa Terezinha, Jardim Marília, Jardim  Ipanema,  Jardim Brasília, Jardim Eliane, Vila Bandeirantes e  Parque Savoy City que vivem isolados. Para chegar ou deixar às residências, os moradores são obrigados a acessar a sobrecarregada  Avenida dos Latinos ou a Avenida Francesco Melzi. Estas vias registram  grandes congestionamentos por ser o acesso principal dos clientes do Shopping Aricanduva, além de única opção dos alunos de uma universidade ali estabelecida, a UNISANTANA. A importância estratégica dessa via pública para a melhoria do tráfego na região é tal que, no começo da década de 90, a Prefeitura implantou um pontilhão sobre o Rio Aricanduva. Essa ponte serviria para escoar parte do trânsito da futura Avenida Gualtar, acessando a pista sentido bairro a partir da Avenida Aricanduva. Desde a construção do CEU em 2003, que edificou a creche numa lateral da projetada Avenida Gualtar e outro prédio do lado oposto, moradores já realizaram diversas reuniões com órgãos da Prefeitura tentando chegar num acordo. Um abaixo-assinado com mais de 4 mil adesões também engrossa a antiga reivindicação. Durante a gestão Kassab, através de entidades sociais da região: Sociedade Amigos Santa Terezinha, Sociedade Amigos do Jardim Marília, Associação Amigos da Vila Bandeirantes, CONSEG do 66º DP., Associação dos Moradores do Parque Savoy City e Obras Sociais Padre Cícero Romão da Paróquia Sta. Terezinha, a reivindicação foi recebida pelas Secretarias de Educação e de Participação e Parceria, que se comprometeram a estudar uma saída, mas, a ligação viária ficou na promessa. Até mesmo uma Ação Civil Pública foi impetrada por entidades da região, mas as tratativas jurídicas não avançaram.  Por ser parte de contrapartida na ampliação de suas instalações, o Shopping Aricanduva recebeu a incumbência de custear essa ligação. A construção de uma passarela de pedestres exclusiva para os alunos e frequentadores do CEU, reabrindo com isso a ligação, o que é plenamente preferida pelo povo. Enquanto o impasse persiste, moradores continuam a sofrer nas atuais vias congestionadas, que  dificultam o acesso de veículos como ambulâncias, viaturas policiais e vans escolares. “Levamos até meia hora para chegar em nossas casas. Se a avenida for aberta, com certeza o tempo de locomoção não chegará a cinco minutos, facilitando a vida dos moradores dos bairros situados atrás do Shopping”, afirma a presidente da Sociedade Amigos do Jardim Marília, Iracy Fróes. “Moradores e até passageiros de futuras linhas de ônibus de diversos bairros se beneficiariam com a rapidez no trânsito”. Outras entidades representativas dos moradores da região participam da luta e fazem coro à reivindicação. “Há mais de 20 anos quando compramos os terrenos para a construção das nossas moradias já constava no loteamento oficial do bairro a ligação da Avenida Gualtar com a Avenida Aricanduva”, revela a presidente da Sociedade Amigos do Jardim Santa Terezinha, Irene Floripes de Souza.  Acionada pelos representantes das entidades da região, o mandato da vereadora Juliana Cardoso (PT) procurou a administração municipal e está participando das reuniões sobre o assunto, haja vistas as várias reuniões e visitas que fez pessoalmente tomando conhecimento “in loco” dos problemas que afligem os moradores dos bairros “enclausurados”. “Esse governo tem o compromisso de dialogar com as comunidades”, comenta a vereadora. “Sem dúvida, o prolongamento da avenida facilitará em muito a vida e a mobilidade dos cerca de 200 mil moradores da região”, disse a vereadora à diretora deste periódico, a jornalista Acácia Gutierrez, que  tem dado total apoio ao movimento dos moradores do Vale do Aricanduva em prol da abertura da Avenida Gualtar.