Doria herda pacote de obras de Haddad na Zona Leste

content image
Há expectativa ainda no setor da mobilidade urbana. Até dezembro, a atual gestão espera conseguir entregar ao menos um trecho do corredor de ônibus Leste-Itaquera, que tem 72% dos serviços executados

No dia 1º de janeiro, o prefeito eleito João Doria (PSDB) vai herdar da atual administração um pacote bilionário em obras focado em Habitação, Mobilidade Urbana, Saúde e Drenagem

Na lista de projetos em andamento, contratados ou em fase final de licitação, há alguns vendidos como marca pelo prefeito Fernando Haddad (PT), como o futuro Hospital Municipal de Brasilândia, na zona norte, seis CEUs e o corredor de ônibus da Radial Leste.
As informações sobre cada obra ou projeto já finalizado serão passadas à futura gestão de João Doria durante a fase de transição, que começou oficialmente na sexta-feira (7) com a primeira reunião na Prefeitura entre Doria e Haddad. O prefeito eleito já se comprometeu a não paralisar o que já está na rua, consumindo recursos públicos. As licitações em andamento serão avaliadas, assim como as ações planejadas por Haddad, mas ainda não contratadas.
Parte das obras atrasou ou nem sequer começou pela dificuldade da Prefeitura em conseguir fazer valer os convênios assinados em 2013 com o governo federal. Juntos, somam R$ 8,1 bilhões, mas somente 10% desse montante foi de fato depositado nos cofres municipais – no sábado.
Para cumprir o compromisso de continuidade, porém, Doria terá de fazer valer a marca que criou de gestor. Segundo estimativa da Prefeitura, só a execução dos novos corredores de ônibus da Zona Leste vai consumir mais de R$ 1 bilhão até o fim das obras, que passam por vias importantes, como a Radial Leste e as Avenida Itaquera e Líder, em 45 quilômetros de extensão.